Violência contra a mulher: reflexões e divagações

26 nov

João, qual sua opinião sobre o texto? Tens argumentos sobre o assunto ou prefere ficar apenas falando de erros de português? Nos brinde com sua opinião.

Deglutindo Pensamentos

Sando Vivan & Rebeca Duvoisin

violênciaOlha, se apanhou, foi por merecer.” “Mulher tem que apanhar mesmo, se é vagabunda, tem que apanhar.” “Ah, ela é prostituta, não faz mal.” Você já deve ter ouvido isso em algum lugar. Seja em tom de brincadeira, seja sério, a sociedade aprendeu a se acostumar com isso. Internalizou a violência contra a mulher e a transformou em algo natural.

Aprendemos que a violência é a solução, se não para tudo na vida, para boa parte. Mas nem mesmo a violência, tão ampla e genérica ainda hoje, consegue ser minimamente democrática. Ela se dá em maior porção entre mulheres e crianças do que em homens, mais em negros do que em brancos, e mais em pobres do que em ricos. Quando não sabemos o que fazer com a criança traquinas, violência é a resposta que achamos, quando desaprovamos o comportamento sexual de alguma mulher…

Ver o post original 1.143 mais palavras

Divergência na Câmara

11 jan

130101-1Então tem vereador em Joinville esperneando porque não ficou com o filé migon no loteamento de cargos na Câmara. Antes da votação para escolher o presidente, foi só alegria, culminando em candidato único (João Carlos Gonçalves), eleito com o voto de quase todos os colegas. Mas, agora, na hora de dividir o bolo, ele ficou com a maior parte das indicações, incluindo os melhores cargos. Talvez tenha sido algum mal-entendido mesmo.

Teve até vereador que desistiu da candidatura à presidência com a promessa de uma boa recompensa, coisa que não aconteceu. O fato é que o PMDB foi o grande vencedor, pois ficará com os melhores lotes, escolhidos a dedo por pelos colegas de de João Carlos. O único intruso na festa é Patrício Destro (PSD), agraciado com o privilégio de escolher um comissionado de sua confiança. Enquanto isso, PT e PDT reclamam as promessas. Bom, sempre há um preço a ser pego pelas escolhas feitas. Agora é ver se a amizade continua durante o mandato.

A flexibilidade do PT

5 jan

Estrela-do-PTTalvez nunca antes na história dessa cidade se viu tanta flexibilidade ideológica de um partido, como o PT joinvilense, que vira e mexe faz acordos e aparece em lugares nunca antes imaginados.

Retomando um pouco da história, em 2008, a sigla teve apoio na Câmara dos vereadores peemedebistas. Tempos depois, os mesmos deixaram Carlito sozinho e debandaram, por motivos ainda não muito bem explicados.

Pois bem, em 2012, a dobradinha não se repetiu e os partidos saíram separados, cada um pro seu lado. Terminado o primeiro turno e a previsível derrota de Carlito, o PT escolheu o lado mais improvável, o de Kennedy Nunes, talvez por vingança, por mágoa ou qualquer outro fato inexplicável. Enfim, mais uma derrota. Udo venceu e, como já era de se esperar teve a maioria na Câmara.

É aí que o PT novamente se desdobra e troca o parceiro novamente. Na eleição para o presidente da Câmara, escolhe participar da patota e elege o vereador do PMDB João Carlos Gonçalves, junto com todos os outros, exceto Adilson Mariano.

Pode ser que seja uma adaptação à realidade, aos novos rumos. Mas o fato é que Udo não terá oposição, nem de deus adversários durante toda a eleição, os mesmos que fizeram críticas ferozes. No meio de tudo isso, a ideologia fica de fora, não participa da festa, pois não é muito bem-vinda.

Os servidores da saúde estavam certos

3 jan

img_8378

Durante a greve dos servidores da saúde, o problema da falta de médicos no Hospital Regional   era justificado pela paralisação. Mas e agora? A greve acabou e continuam faltando médicos.  Pessoas com graves problemas de saúde estão sendo mandadas embora porque não há como  atender. O Ministério Público precisou intervir e o diretor do hospital afirmou que a baixa  remuneração afasta os médicos.

Qual é o problema agora? O governo insistia em dizer que a greve era desnecessária e demorou para negociar, arrastando por dois meses o caos na saúde em Joinville. No entanto, está mais do que provado que os funcionários tinham razão quando pararam de trabalhar e foram às ruas protestar, pois a reivindicação não era apenas por melhores salários, mas também por melhores condições de atendimento para a população.

A greve acabou, a pressão não existe mais, mas nada foi resolvido, a saúde continua um caos, mas não por culpa dos servidores. Qual é a dificuldade de contratar mais profissionais para um hospital? Falta dinheiro agora, mas depois, quando os equipamentos públicos forem entregues na mão de Organizações Sociais, vai sobrar.

Mais um esforço do papa para minar direitos humanos

21 dez

Discurso-do-Papa-Bento-XVI-12.05.10Sentando em uma cadeira de ouro, do alto de sua prepotência, vossa santidade Papa Bento XVI desferiu mais um golpe nos direitos humanos, principalmente quando se refere aos homossexuais. No discurso de Natal, Joseph Ratzinger afirmou que o casamento entre pessoas do mesmo sexo está destruindo a “essência do ser humano”. Um dos argumentos é que os homossexuais manipulam o gênero para adaptar suas opções sexuais

Antes disso, em outro discurso, ele “denunciou” que o casamento gay é uma ameaça à paz mundial. Pois olha, quem é a Igreja Católica para falar em paz mundial? Eles estão travando uma guerra sem sentido para tentar impedir que direitos básicos de seres humanos sejam respeitados. Essas declarações geram apenas mais preconceito, intolerância e, consequentemente, mais violência.

Mas o pior é que o papa sabe de tudo isso, tem consciência da força de sua palavra, da capacidade de influenciar multidões. No entanto, prefere usar este poder para tentar minar um movimento legítimo e confundir milhões de pessoas. Prefiro acreditar que essa mobilização da Igreja Católica seja uma resposta e uma demonstração de desespero frente às vitórias conquistadas pelo público LGBT.

Bento XVI ainda fala em defesa da tradição familiar (pai, mãe e filho), ignorando toda a diversidade existente e, principalmente, subestimando o amor, negando que dois homens ou duas mulheres podem amar uma criança do mesmo jeito que um casal heterossexual.

A insistência na falta de diálogo

20 dez

Estamos chegando ao final do ano e a greve dos servidores da saúde parece não ter fim. De um lado, um governador sem a mínima vontade de negociar e de outro, os funcionários buscando melhorias para a saúde pública e salários dignos. O problema é que enquanto Colombo se nega a dialogar, as pessoas permanecem nas filas dos hospitais e a maternidade continua em péssima situação.

A parte estranha disso é que o governo do Estado já manifestou a possibilidade de contratar funcionários em caráter de urgência para suprir a falta dos servidores que estão em greve. Posso não entender muito de gestão, mas acredito que o governador está fazendo isso errado. Mostra o nível intransigência, pois prefere gastar (aí tem dinheiro?) com outros funcionários do que investir nos atuais e manter a qualidade dos equipamentos públicos.

Pode ser que exista interesses econômicos no meio tudo isso, pois Colombo cogitou entregar o Regional à uma OS. A tentativa foi frustrada, mas deixa claro o que pode ser feito nos próximos dois anos.Mas, para isso, ele precisa de alguma justificativa. Talvez isso explique o estado da saúde pública estadual.

Joaquim Barbosa para presidente

19 dez

Nesta semana, o instituto Datafolha divulgou uma pesquisa com possíveis candidatos a presidente do Brasil em 2014. Como era de se esperar, apareceram nomes tradicionais da política, como Serra, Lula, Aécio Neves e a própria Dilma, que deve concorrer à reeleição. No entanto, a surpresa maior foi ver Joaquim Barbosa compondo a lista e aparecendo com 9% das intensões de voto.

No auge do julgamento do mensalão, quando Barbosa dava declarações fortes e saciava a sede de justiça de muitos, surgiram na internet muitas manifestações pedindo o magistrado para presidente. Nesse momento, estava construída a figura do herói justiceiro que condenou os bandidos corruptos.

Transformaram o magistrado em herói, paladino da justiça. Mas, há quem diga, principalmente a turma do PT, que tudo não passou de armação política contra o Partido dos Trabalhadores, pois aconteceu no período de eleição e, segundo eles, as provas não seriam suficientes para enquadrar Dirceu e companhia.

A condenação é realidade, se fez ou não, agora é tarde. Mas uma coisa é certa, teve muita gente feliz com a sentença, como os setores mais conservadores da mídia e de outras áreas que nunca suportaram o PT no poder. Esse pessoal deve estar dando pulos e torcendo para que o ímpeto justiceiro de Barbosa se esgote com o mensalão.

É bem provável que o sonho de ver Barbosa presidente não se realize e frustre  muita gente. Mas ainda teremos um herói para nos defender da corrupção.

Mídia e a política externa dos EUA

19 dez

Posso estar enganado e cometendo uma grande injustiça, mas ainda não vi a grande mídia aprofundar a cobertura do massacre nos EUA e ir além de tudo o que já soubemos nas horas seguintes ao fato. Assim como em todos os outros massacres cometidos por lá e por aqui.

Obama faz um pronunciamento e diz que não vai mais tolerar esses massacres, mas, ao mesmo tempo, mantém tropas em diversos lugares do mundo e patrocina guerras e matanças de milhares de cidadãos. Será que essa política externa, junto com a lógica do medo interno e da venda desenfreada de armas, não contribui para esses acontecimentos? Qualquer um pode comprar arma e munição nos EUA. Posso estar chovendo no molhado, mas até agora não vi nada disso na cobertura da grande mídia.